Análise – Aritana e a Pena da Harpia

Salve salve pessoal…

Se você gosta do folclore brasileiro, e de jogos de plataforma no estilo de Donkey Kong Country, trago à vocês a análise do jogo brasileiro Aritana e a Pena de Harpia.

Introdução

Quando eu era criança, tinha uma coisa que me fascinava, era a extensão do nosso folclore brasileiro, eu gostava das antigas histórias sobre Curupira, Saci, Mula Sem Cabeça, entre tantas outras. Quando eu soube que teríamos um jogo brasileiro com referências indígenas, fiquei interessado no título, e quando comprei meu Xbox One, quis ter esse jogo em minha coleção. Para quem assistia o antigo Cata-Lendas da Rede Cultura, vai se lembrar das histórias do Mapinguari e das que envolviam o Muiraquitã.

Na história do jogo, o cacique Tabata está doente assolado por um mal espírito. O pajé Raoni, reúne a tribo e conta que eles precisam de uma pena de uma ave Harpia que mora em cima de uma montanha. Aritana ouvindo essa história, pega o cajado do pajé, e parte sozinho em busca da pena para salvar o cacique, mesmo contra a vontade do pajé.

Dando Dash indo para cima do inimigo

Som

Logo ao iniciar o jogo, não tem como não lembrar do Donkey Kong Country, tanto a música de abertura, quanto aos sons dos menus, lembram bastante as características do DKC, músicas com batidas remetendo a ambientes de selvas (como instrumentos como tambores).

Arte Conceitual

Ao jogar, além de DKC, me lembrei também do primeiro Crash Bandicoot, que também possuía músicas e efeitos sonoros remetendo a selva, e nesse quesito Aritana manda muito bem, quando se está fazendo um combo, usando golpes, etc… é interessante a imersão causada pelos sons do jogo.

A única coisa que estranhei, foi que Aritana apesar da aparência de um jovem índio, tem uma voz com tom mais adulto.

Fase da caverna

Ah e quando você encontra um lugar secreto, também é tocado um efeito sonoro, similar aquelas situações em Rayman Origins / Legends.

Gráfico

A primeira impressão que tive do jogo, foi que Aritana, o modelo dele lembra o de Megaman rs… não sei de onde tirei isso, mas o ante braço e as pernas mais gordinhas, combinando com um corpo magro, e ter um sistema de “dash” me fizeram lembrar do robozinho azul da Capcom.

O gráfico do jogo é bonito, principalmente nos personagens, onde eles tem um nível e refinamento bem interessante, como por exemplo, ao trocar de postura com Aritana, você fica ou com a sombra roxa, ou com a sombra verde e isso reluz no cenário.

Subindo a montanha

Outro detalhe que achei bem legal, são as sombras e luzes do jogo, em um momento no último mundo do game, eu ficava vendo o pôr do sol com as sombras passando pelas montanhas, me remetendo a sensação de jogar aquelas fases da montanha do DKC 3. Os cenários apesar de serem mais simples do que os gráficos dos personagens, conseguem entregar também a qualidade proposta.

Outro ponto que me chamou a atenção foram os bônus que se passam em um lugar chamado Mundo dos Espíritos, onde a jogabilidade muda totalmente para 3D e você anda por um labirinto.

Bônus em 3D do jogo

Controles

Os comandos basicamente são:
LT – Muda a postura de Aritana (entre Agilidade – Verde e Ação – Roxo)
RT – Pulo
RB – Usar a adrenalina
Analógico Esquerdo – Movimenta personagem
Analógico Direito – Ataques e movimentos de Ação

Se aproximando de um checkpoint

Como você pode perceber, no game não usamos botões, e sim analógicos para executar comandos, isso no começo me deixou bem confuso, comecei a me adaptar lá pela terceira fase do primeiro mundo (claro que mesmo assim, depois ainda caía nos buracos rs)…

Basicamente no jogo você movimenta o personagem, pula com RT, e se quiser com LT você muda a postura, sendo que você pode deixar o Aritana mais ágil, com pulo mais alto e mais leve, sem contar que ao pular você já troca de postura automaticamente. A outra postura, é a postura de ação, no qual você pode atacar inimigos (movimentando o analógico direito), dar dashs, etc. Quando se está com a postura ágil, você só vê uma sombra dos inimigos, e quando se está com a postura de ação, ai você consegue enxergar os inimigos normalmente.

Utilizando combos nos inimigos

Além disso é possível usar um poder que aumenta a adrenalina do Aritana, e deixa tudo ao seu redor em câmera lenta.

Depois que você se acostuma com os controles, ai que você entende o motivo por trás, é por causa do sistema de combos, sendo que ao executar três execuções consecutivas em inimigos, você executa um combo, e esse combo pode gerar vida, ou outros tipos de itens.

Diversão

Eu achei o jogo bem divertido, porém achei bem fácil, zerei o game na dificuldade normal, sendo que morri umas 3 vezes, 2 tentando pegar itens escondidos, e 1 tentando fazer uma conquista contra o chefe Mapinguari.

Infelizmente não tem uma variedade de chefes, em todos os 3 mundos, o chefe é o Mapinguari, só mudando a estratégia em cada um dos mundos. O primeiro mundo é o mundo da Floresta, o segundo é um ambiente de Cavernas, e o terceiro é um ambiente de Montanhas.

Se aproximando do fim da fase

Se teve algo que eu gostei bastante no jogo foi o sistema de combos, é bem divertido você matar vários inimigos em sequência.

A campanha do jogo leva cerca de 2 horas e meia, mas isso sem pegar todos os colecionáveis. Os itens que você pode pegar, são Guaranás (a cada 100, ganha uma vida), Vidas (com representação de um líquido extraído do guaraná) e os Muiraquitãs que existem 5 por fase, e a cada 5 você entra no Mundo dos Espíritos para tentar coletar um fragmento de vida, sendo que você pode aumentar até 7 fragmentos de vida (2 dos 2 primeiros chefes, e 2 dos 4 bônus).

Outras informações

As animações do jogo, que contam a história do game, são todas desenhadas, e não se tem falas, mas são bem intuitivas.

Ao zerar o game, você abre a navegação no menu, que mostra se você coletou o combo de cada fase, e os Muiraquitãs. Além do que, ao zerar você abre também a opção Novo Jogo+, sendo mais difícil que o jogo no modo normal.

Se aproximando dos obstáculos finais

O game tem uma ótima representação do nosso folclore, e o Mapinguari ficou bem feito e moldado.

O jogo possui também um DLC gratuito, chamado Espírito de Fogo, sendo que ele contém algumas correções e aperfeiçoamentos da versão original, e esse DLC é gratuito e já vem embutido na versão do Xbox One. Para que você desbloqueie o Cajado de Fogo, você deve coletar todos os combos (1 por fase), e desbloquear todos os poderes de Aritana (pulo duplo, usar adrenalina, dash no ar, barreira contra vento, etc).

O jogo ganhou prêmios de melhor game e melhor sendo, sendo premiado no SBGames 2014, e ganhou o prêmio de Voto Popular no Big Festival.

Preço

Na Steam, o jogo está R$ 19,00, Clique Aqui para saber mais.

Na Xbox Live, o jogo está R$ 19,00, Clique Aqui para saber mais.

Duelo contra o Mapinguari

Considerações Finais

Aritana é um ótimo jogo plataforma, que cumpre a proposta que promete, achei o jogo curto e fácil mas extremamente divertido, principalmente pelo seu sistema único de combos. Talvez seja indicado para seu filho, sobrinho ou priminho jogarem.

Abaixo um vídeo de gameplay do nosso canal, se possível se inscreva lá e dê um joinha no vídeo para nos ajudar XD.



Bom pessoal, por hoje é só.
Abraços e até a próxima.

About Daniel Atilio

Analista e desenvolvedor de sistemas. Técnico em Informática pelo CTI da Unesp. Graduado em Banco de Dados pela Fatec Bauru. Entusiasta de soluções Open Source e blogueiro nas horas vagas. Autor do projeto Terminal de Informação, onde são postados tutoriais e notícias envolvendo o mundo da tecnologia.

Daniel Atilio

Analista e desenvolvedor de sistemas. Técnico em Informática pelo CTI da Unesp. Graduado em Banco de Dados pela Fatec Bauru. Entusiasta de soluções Open Source e blogueiro nas horas vagas. Autor do projeto Terminal de Informação, onde são postados tutoriais e notícias envolvendo o mundo da tecnologia.