Análise – Song Of The Deep

Salve salve pessoal…

Vocês conhecem a Insomniac, empresa por trás de jogos como Ratchet & Clank, Spyro The Dragon, Sunset Overdrive e o mais novo Spider Man do PS4? Trago para vocês hoje a análise de um jogo deles, o Song Of The Deep.

Introdução

Song Of The Deep é um jogo do estilo Metroidvania, onde você controla uma garota chamada Merryn, que constrói um submarino para procurar seu desaparecido pai. O jogo tem uma pegada que lembra uma mistura de Ecco The Dolphin com Castlevania.

A história do game, Merryn toda noite espera pelo seu pai (que é pescador), até que ele para de voltar para a casa. Merryn tem um sonho em que seu pai estava preso no fundo do mar, então ela decide construir um submarino e partir para salvá-lo, e é aí que a jornada começa.

Cutscene contando partes da história

Som

As músicas do game são em sua maioria calmas, somente em algumas partes que elas dão uma acelerada, a sensação que é passada, é para simular a imensidão e a solidão de se estar no oceano. Os efeitos sonoros são bem executados, como sons de tiro, e sons dos inimigos, inclusive sendo possível perceber quando alguns se aproximam, como caranguejos gigantes que emitem um som ao “sair” das pedras.

Enfrentando inimigos

As falas do game estão todas em inglês, porém todas as legendas estão em português, ajudando a entender a história, e o que se passa no mundo de Song Of The Deep.

Cenários bonitos

Gráfico

O estilo gráfico do game apesar de ser simplista, é bonito e bem trabalhado, com detalhes cartunescos, como por exemplo, peixes caricatos, caranguejos gigantes, o próprio design do submarino. O design inteiro do game, parece que saiu da imaginação de uma criança mesmo.

Os cenários de fundo são belíssimos, com luzes, efeitos de sombra, ruínas e pedras, tudo fazendo sentido onde fica, como por exemplo, nas profundezas do oceano vai ficando mais escuro, com inimigos mortais, enquanto na parte acima existem navios naufragados.

Profundezas do oceano

As cutscenes do game são desenhadas com pequenas animações, todas expressando a história, inclusive demonstrando um sentimento da Merryn de querer ajudar os outros, e de esperança em achar seu pai.

Enfrentando inimigos

Controles

É possível no game, controlar o submarino, tanto quanto a Merryn nadando saindo dele, os comandos básicos são:
RT – Disparar Torpedo
RB – Se Esquivar
LB – Sair do Submarino
LT / Analógico Direito – Mudar tipo de Torpedo
Analógico Esquerdo – Movimentar
Select – Ver o Mapa
Y – Ligar / Desligar faróis
B – Usar Sonar
X – Usar a Garra para pegar ou soltar objetos
A – Acelerar o Submarino / Nadar mais rápido

Estátuas gigantes

Além dos comandos básicos, assim como em outros games do tipo Metroidvania, você vai abrindo poderes, como por exemplo, o torpedo de lava, você consegue usar a garra nele, e criar um “escudo” de fogo no submarino.

Os comandos são extremamente bem executados. No jogo todo encontrei apenas 1 bug, em que fiquei enroscado em uma parede, e não conseguia sair, então tive que sair do game e entrar de novo.

Uma coisa que incomoda no jogo, são que os teleportes ficam longe um do outro, sendo 1 por área, e às vezes demora para chegarmos no objetivo.

Escudo de lava

Diversão

O jogo começa com uma empolgação e você quer descobrir todos os detalhes da história, assim como progredir com os poderes. Eu lembrei muito do Ecco The Dolphin para o Mega Drive, e da série Castlevania, mesclando o universo marítimo com essa progressão “não linear”.

O problema, é que na metade do game para frente (pelo menos comigo aconteceu isso), a sensação de linearidade aumenta, e como o jogo se passa “apenas” no mar, você cansa de ficar fazendo puzzles e indo de um lugar para outro. Para vocês terem noção sobre essa repetição, eu acho que no game inteiro, enfrentei apenas 2 chefes, o resto eram sub chefes, tendo pouco desafio. No caso dos puzzles, realmente alguns são bem elaborados, levando um tempo para serem pensados e finalizados.

Usando luzes para ver o caminho

Eu zerei o game com cerca de 7 horas, sendo que comprei todos os upgrades, e faltou apenas fazer todo o mapa e pegar tudo o que faltava, mas eu não tive mais animo de continuar rs.

Outras informações

É notável o capricho que a Insomniac teve com o game, mesmo sendo um projeto menor que outros games, eles criaram um universo inteiro com referências a “civilizações”, e inclusive deixando referências a uma possível continuação.

Nadando com a Merryn

Preço

As mídias físicas, utilizando como base o site comparegames.com.br, a versão de Playstation 4, é encontrada a partir de R$ 25,19 e a de Xbox One, a partir de R$ 42,29.

Na PSN, o jogo está R$ 119,99, Clique Aqui para saber mais.

Na Steam, o jogo está R$ 99,99, Clique Aqui para saber mais.

Na Xbox Live, o jogo está R$ 120,00, Clique Aqui para saber mais.

“Que tiro foi esse?” rs

Considerações Finais

Song Of The Deep é um excelente jogo para ser jogado “de vez em quando”, infelizmente no meio da campanha, acaba dando uma desanimada, mas nada que possa impactar na finalização da campanha.

No contexto geral, recomendo o game, ressaltando que a mídia física está bem mais em conta que a mídia digital. Caso você seja fã de Ecco ou de games no estilo Metroidvania, vai fundo rs.

Bom pessoal, por hoje é só.
Abraços e até a próxima.

About Daniel Atilio

Analista e desenvolvedor de sistemas. Técnico em Informática pelo CTI da Unesp. Graduado em Banco de Dados pela Fatec Bauru. Entusiasta de soluções Open Source e blogueiro nas horas vagas. Autor do projeto Terminal de Informação, onde são postados tutoriais e notícias envolvendo o mundo da tecnologia.

Daniel Atilio

Analista e desenvolvedor de sistemas. Técnico em Informática pelo CTI da Unesp. Graduado em Banco de Dados pela Fatec Bauru. Entusiasta de soluções Open Source e blogueiro nas horas vagas. Autor do projeto Terminal de Informação, onde são postados tutoriais e notícias envolvendo o mundo da tecnologia.