A história da Tectoy

Uma das pioneiras dos games no Brasil, conheça a história da Tectoy.

O Início

Na década de 80, a referência em brinquedos no Brasil era a Estrela. Daniel Dazcal, era um argentino vice-presidente da Sharp do Brasil, ele decidiu sair da Sharp para ser consultor na área de eletrônicos.

Algumas empresas tentaram se aproximar dele, inclusive a Estrela, mas ele tinha outro plano, ele queria montar uma empresa que se tornasse referência nacional com brinquedos eletrônicos, e assim monta a Tectoy.

Reportagem sobre a Tectoy, com Daniel Dazcal no centro segurando o Sonic

Em 1987, a Rede Globo começa a transmissão de um desenho chamado Zillion. E em 1988, a Tectoy lança no Brasil a Pistola Zillion inspirada no desenho, sendo fruto de uma parceria com a SEGA. Inclusive foi o primeiro sucesso da empresa no país.

Esse sucesso abriu as portas para novas parcerias com a SEGA.

Parceria com a SEGA nos consoles com Master System e Mega Drive

No mercado de consoles de vídeo games, a Gradiente já tinha lançado aqui na região uma versão do Atari 2600 pela Polyvox. A SEGA queria lançar seus consoles aqui no país, mas ela queria uma empresa que não tivesse históricos com consoles. Ao mesmo tempo, nos Estados Unidos, quem distribuía na época o Master System, era a Tonka de brinquedos.

Pelo fato da Tectoy ter lançado a Zillion e ter sido um sucesso e também o foco da produção em brinquedos, a Tectoy e a SEGA firmam parcerias, e o Master System chega ao mercado em 1989.

Pistola Zillion

O console fez tanto sucesso, que a empresa passou dos 66 milhões de dólares de faturamento, e isso tudo em 1989. Estima-se que metade desse valor veio do Master System. A Tectoy tinha uma estratégia de investir agressivamente em marketing, assim do mês de setembro até o Natal foram feitos vários comerciais e programas falando sobre o Master System.

Esse investimento custou cerca de 2 milhões de dólares, até então no Brasil era algo nunca imaginado, ainda mais por uma empresa de brinquedos.

Um dos modelos do Master System produzidos pela Tectoy

O marketing consistia em uma central de atendimento Hot Line, que você podia ligar e pedir dicas de como passar determinada parte do jogo. Também tinha um clube de sócios (Master Clube), e um programa na Rede Globo (Master Dicas), que passava nos intervalos da Sessão Aventura e Vídeo Game Show (dentro do Vídeo Show), um dos apresentadores era Miguel Falabella.

Miguel Falabella

Após 1 ano, a Tectoy traz ao mercado o Mega Drive, que assim como o Master, faz um sucesso estrondoso no país. Mas a Tectoy tinha um receio de trazer o console com apenas 1 ano de diferença do Master, e mais uma vez entra o marketing inteligente da empresa, demonstrando que os dois vídeo games eram bons, mas o Mega tinha mais recursos, encantando as crianças.

Assim como a SEGA lançava periféricos para o console, como o SEGA CD e o SEGA 32X, a Tectoy também trouxe eles para o mercado.

Mega Drive produzido pela Tectoy

Em 1991, ela lança no mercado o Game Gear, portátil colorido da SEGA, mas esse apesar de ser conhecido por saudosistas, não fez tanto sucesso quanto o Master e o Mega.

A Tectoy começa a ter uma rivalidade em 1993 com a Playtronic (parceria entre Gradiente e Estrela), que começa a fabricar consoles da Nintendo aqui no Brasil. Essa disputa é lembrada até os dias de hoje, claro que para mim, o Mega Drive é vencedor rs…

Apesar da disputa entre Mega Drive e Super Nintendo, o NES (ou Nintendinho), não emplacou no mercado nacional, onde aqui até os dias de hoje, o Master é o queridinho da galera.

Stefano Arnhold, Ayrton Senna e o Sr Yagi, Diretor da Área Internacional da SEGA

Em 1994, Daniel Dazcal faleceu, e Stefano Arnhold o substituiu.

Desenvolvimento e Adaptação de jogos

Assim como é explicado no artigo A evolução dos jogos brasileiros nos consoles, a Tectoy buscava expandir e atrair mais consumidores ao mercado de consoles.

Portanto, é necessário o investimento na adaptação de alguns games, como traduções (Phantasy Star), criações originais (Castelo Rá-Tim-Bum) e até mesmo a substituição de sprites de alguns games, para ficar fácil adaptável ao nosso mercado. Um caso assim que ficou famoso foi com a série Wonder Boy, que aqui foi lançada como Turma da Mônica.

Castelo Rá-Tim-Bum para Master System

Um detalhe interessante foi no desenvolvimento do Street Fighter 2 para Master System, onde a Tectoy desenvolveu toda a base do game, convidou o pessoal da Capcom para assistir a demonstração, falando que eles queriam lançar um port para o Mega Drive, e deram um controle do Mega para eles testarem o game. O pessoal da Capcom vendo a qualidade inferior ao Street Fighter já lançado, disseram que precisavam melhorar. Então o pessoal da Tectoy retirou o Master System que estava escondido e mostraram que o game estava rodando no hardware do Master, e isso fez com que a Capcom aprovasse o lançamento do game, pois viu que a Tectoy havia feito um excelente trabalho na conversão.

Alguns jogos que podemos lembrar que foram feitos ou adaptados pela Tectoy:

  • Série Phantasy Star (Master System e Mega Drive) – Textos traduzidos para português brasileiro
  • YuYu Hakusho Sunset Fighters (Mega Drive) – Textos traduzidos para o português brasileiro
  • Série Wonder Boy (Master System e Mega Drive) – Substituição dos sprites para jogos da Turma da Mônica
  • Asterix (Master System) – Substituição dos sprites para o jogo TV Colosso
  • Kung Fu Kid, Astro Warrior e Psycho Fox (Master System) – Substituição dos sprites para o personagem Sapo Xulé
  • Ghost House (Master System) – Substituição dos sprites para o personagem Chapolin
  • As Férias Frustradas do Pica-Pau (Master System e Mega Drive) – Criação do jogo
  • Sitío do Pica-Pau Amarelo (Master System) – Criação do jogo
  • Castelo Rá-Tim-Bum (Master System) – Criação do jogo
  • Show do Milhão (Mega Drive) – Criação do jogo
  • Duke Nukem 3D (Mega Drive)- Criação do port
  • Street Fighter 2 (Master System) – Criação do port

Surgem novos consoles, SEGA Saturn e Dreamcast… e também a Crise

Em 1995 a Tectoy lança o SEGA Saturn aqui no Brasil, e apesar do início conturbado nos Estados Unidos, aqui ele até teve uma boa aceitação, vendendo razoavelmente bem, e tendo destaque em várias revistas da época.

Propaganda do Saturn

Mas começam a surgir alguns problemas, o primeiro deles era o avanço da pirataria no Brasil, sendo que na geração do Saturn / Playstation, o destravamento e os famosos CDs piratas gravados se popularizaram.

A partir de 1997 a Tectoy entra em uma grande crise, que começou no sudeste asiático que atingiu vários mercados emergentes (como o brasileiro). Com essa crise, o governo aumentou a taxa de juros, logo os investimentos caíram, e os dólares antes investidos no mercado brasileiro, foram sumindo, e isso foi quebrando o país.

Nessa época, empresas começaram a fechar, como a Mappin, e assim começaram os calotes na Tectoy. Logo os consumidores também tinham menos poder de compra, e com a pirataria em alta, começou-se um momento turbulento na empresa.

Não foi tão ruim quanto a inflação dos anos 1980, porém essa crise balançou o mercado, e afetou muitas empresas de brinquedos e eletrônicos. No mesmo ano de 1997, a Tectoy entrou em Concordata Preventiva, negociou suas dívidas, simplificou sua cadeia de produção, cortou custos e diminuiu o quadro de funcionários (quase 90%).

Após um tempo, a empresa lança em 1999, o Dreamcast, custando cerca de R$ 900,00. Mesmo com um preço elevado, devido ao marketing e ao sucesso da SEGA no Brasil, o console consegue trazer um retorno para a Tectoy.

Propaganda do Dreamcast

Novos produtos e licenciamentos

A concordata foi encerrada em Outubro de 2000. E como todos sabemos, a SEGA encerrou a produção de consoles, isso fez com que a Tectoy tivesse que desbravar outros mercados.

Por um tempo, a empresa ainda lançava o Master System e o Mega Drive (inclusive com bundle do Show do Milhão), mas a empresa começa a lucrar com outros produtos eletrônicos, como players de DVD e karaokês.

Bundle do Mega Drive com Show do Milhão

Em 2009 eles lançam Zeebo, um console pensado em países emergentes, que seria mais barato que os consoles potentes do mercado, e mais acessível para a população. Porém na prática não deu muito certo.

Console Zeebo

Desde então, a Tectoy investiu em licenciamentos e lançou por exemplo, tablets da Disney e Galinha Pintadinha, que lhe renderam um belo lucro. Ela também abriu o leque de eletrônicos e lançou até mesmo babás eletrônicas.

Atualmente

Além dos eletrônicos citados, a Tectoy continuou lançando consoles aqui no Brasil (ports da empresa americana ATGames), como o portátil MD Play.

Portátil MD Play

Mas eis que em Outubro de 2016, eles anunciam o retorno do Mega Drive, com entrada para cartuchos, e inclusive com o relançamento do game Mônica no Castelo do Dragão.

Além disso, a Tectoy começou a lançar oficialmente aqui no Brasil, o Atari 2600.

Tanto o Mega Drive, quanto o Atari possuem jogos na memória.

Propaganda para escolher a caixa do novo Mega Drive

Entrevista no UOL Jogos

Caso você tenha interesse, existe uma entrevista espetacular do UOL Jogos com Stefano Arnhold, contando bastidores da relação da SEGA com a Tectoy. Inclusive com algumas curiosidades como o fato de quase terem feito uma parceria com a Sony (Playstation), e o desenvolvimento do Street Fighter 2 para o Master System.



Linha do tempo

Abaixo alguns pontos interessantes em um resumo da Linha do tempo da Tectoy (envolvendo os games).
1987 – 18 de Setembro tem inicio a Tectoy com Daniel Dazcal, que buscava criar uma empresa jovem que produzisse brinquedos tecnológicos.
1988 – Nesse ano a empresa traz dois produtos ao mercado, a pistola Zillion (em parceria com a SEGA) e o brinquedo Pense Bem.
1989 – A parceria com a SEGA gera outro fruto, e nesse ano chega ao mercado o Master System.
1990 – Após 1 ano do Master System, a empresa traz ao mercado o Mega Drive, que rapidamente se tornou um sucesso comercial.
1991 – Tem inicio a produção do Game Gear, portátil colorido da SEGA.
1992 – A empresa começa a exportar produtos para o Mercosul.
1993 – Atinge 1 milhão de consoles vendidos.
1995 – Lança o Saturn, console de 32 bits da SEGA.
1998 – Apesar da produção de brinquedos, a empresa passa a se dedicar ao ramo principal que são os vídeo games. ALém disso, atinge a marca de 1000 softwares produzidos.
1999 – Lança o Dreamcast, console de 128 bits da SEGA.
2000 – Começa a diversificar a linha de produtos, e traz o primeiro Karaokê com mídia digital ao país.
2001 – Faz uma parceria com o SBT e lança o CD “Qual é a Música” para computadores. A parceria também gera o jogo Show do Milhão para Mega Drive, junto com bundle do console.
2002 – O Master System é relançado com outro visual. Começa a usar a estratégia Built-In, inserindo games nas memórias dos consoles.
2005 – Cria a marca Tectoy Mobile para posterior publicação de games.
2006 – A Tectoy Digital e Tectoy Mobile firmam parcerias com Vivo, Claro e TIM para lançar jogos clássicos nos celulares.
2008 – Faz uma parceria com a Qualcomm, e é anunciado no mercado um novo console focando em países emergentes, o Zeebo.
2009 – Zeebo é lançado oficialmente no país. Trás também ao mercado o portátil MD Play, um Mega Drive de bolso.
2016 – É anunciado que o Mega Drive voltará a ser lançado no mercado brasileiro.
2017 – Faz novas parcerias, e traz ao mercado o relançamento do Mega Drive aceitando cartuchos. Lança também no nosso mercado o Atari 2600 com jogos na memória.


Referências:
toad.com.br
blogtectoy.com.br (Entrevista UOL)
sretroshock.blogspot.com
blogtectoy.com.br (Jogos Master System)

Bom pessoal, por hoje é só.

Abraços e até a próxima.

About Daniel Atilio

Analista e desenvolvedor de sistemas. Técnico em Informática pelo CTI da Unesp. Graduado em Banco de Dados pela Fatec Bauru. Entusiasta de soluções Open Source e blogueiro nas horas vagas.

Daniel Atilio

Analista e desenvolvedor de sistemas. Técnico em Informática pelo CTI da Unesp. Graduado em Banco de Dados pela Fatec Bauru. Entusiasta de soluções Open Source e blogueiro nas horas vagas.