Análise – Devil May Cry 5

Vamos conferir o retorno da saga dos descendentes de Sparda.

Sobre o Game

5 anos após os acontecimentos de Devil May Cry 4, um ser estranho encontra Nero e toma seu braço demoníaco. Isso faz com que seja criado um braço mecânico chamado Devil Breaker.

Enquanto isso, um homem estranho denominado V, procura Dante falando de um rei demônio chamado Urizen, que trouxe a árvore Qliphoth, e está dominando a Terra.

Enfrentando um boss com a Devil Breaker

Então Dante, Nero e V partem para tentar impedir Urizen, mas no desenrolar teremos várias subtramas e desenrolar entre nossos personagens.

Pontos Positivos

A começar pela regionalização, o game possui legendas em português, o que ajuda muito na imersão, e no entendimento da narrativa.

Um dos pontos altos do game, foi seu gráfico, sendo que tanto nos cenários apocalípticos, quanto nos personagens principais, a modelagem e física ficaram excelentes. Apenas os inimigos que poderiam ter uma variedade maior.

Usando a Devil Breaker para acabar com os demônios

O jogo, assim como outros japoneses de ação com hack’n slash, possuem várias piadas, a maioria pode passar batida ou trazer aquele ar de non-sense, mas no meu caso me agradaram, e fiquei pensando em como o pessoal da Capcom bolaram elas, como por exemplo, a Van saindo do chão (?!) como uma toupeira, ou quando Dante começa imitar o Michael Jackson.

Pontos Negativos

Na parte técnica, a parte que mais me incomodou foi nas lutas com vários personagens, ter que ficar segurando o RB para dar foco, e se eu jogasse por muito tempo, o dedo indicador começava a calejar um pouco.

Já na narrativa, o game vai seguindo uma linha intrigante e bem imersiva, porém no último ato (acho que as 5 últimas missões), ele começa a ficar previsível, e não surpreende, e acaba com o jogo tendo um final pacato, e você esperando por mais.

Dante dando um rolezinho de moto

Agora um ponto que achei estranho, foi na identidade secreta do V, sendo que ele não se assemelha em quase nada. Claro que posso estar enganado, as tatuagens terem alguma explicação, o livro do V também (talvez no Devil May Cry 6), mas apesar de ter gostado de jogar com o personagem, fiquei com essa sensação.

Veredito

Se você gosta de games dinâmicos, ou jogos de Ação com Hack’n Slash, não tenha dúvida, vai fundo no Devil May Cry 5.

O jogo até tem um tempo médio, mas você pode zerar rapidamente, então se você não for daqueles que quer zerar no difícil ou outras dificuldades, e quer comprar o game, fique de olho em promoções.

Confira abaixo um vídeo de gameplay:

Gostou do vídeo? Ajude a gente, se inscreva no nosso canal clicando abaixo.


Gostou do conteúdo? Se inscreva no nosso site ou acompanhe nossas redes sociais e receba novidades exclusivas clicando aqui.

Abraços pessoal, até a próxima.

About Daniel Atilio

Analista de sistemas e blogueiro nas horas vagas. Pode ser encontrado jogando Tetris por ai.

One thought on “Análise – Devil May Cry 5

Deixe uma resposta