Oops! It appears that you have disabled your Javascript. In order for you to see this page as it is meant to appear, we ask that you please re-enable your Javascript!

Entrevista com Rodrigo “Chips” Scharnberg da Rockhead Games

Conheça um pouco sobre a Rockhead e seus games nesse bate papo com o produtor do estúdio, Rodrigo Scharnberg.


Recentemente fizemos a análise do game Starlit On Wheels, que saiu para plataformas mobile. Para minha surpresa, recebemos um comentário do produtor do estúdio Rockhead Games, o Rodrigo Scharnberg.

Então fiz um contato com ele, e montei essa entrevista para vocês aqui do Aperta o X, espero que gostem.

Rockhead Games

Olá Rodrigo, primeiramente é um prazer e uma honra ter você aqui no Aperta o X. Você pode contar um pouco sobre você para nossos leitores?

Olá Daniel! Como dissestes, sou Produtor da Rockhead Games a quase 2 anos, mas na indústria de Games desde 2007. Sou formado em Jogos Digitais pela Unisinos e iniciei minha carreira desenvolvendo Advergames 3D para web na Aquiris em uma época pré-smartphone.

Rodrigo – Unisinos

No caso de vídeo games, qual foi a experiência mais marcante que teve?

Difícil de pontuar apenas uma… Pois tive muitos projetos marcantes. Desde o primeiro jogo indie, lançado para iPad (no seu lançamento) chamado Jules: Unboxing the World, passando por jogos que exigiram muito tecnicamente e fisicamente, como o jogo feito para promover o Samsung Galaxy 2, que era controlado por quatro celulares e exibido em 12 televisores de 42 polegadas que formavam um circuito, como um autorama até o primeiro lançamento para PlayStation 4 do Starlit Adventures que está batendo todos os meus recordes pessoais de jogadores simultâneos, número de downloads e tudo mais.

E o apelido “Chips”? Onde surgiu? (risos)

Surgiu na época de colégio, quando aos 14 anos me mudei de cidade e consequentemente de colégio. Aparentemente eu era um Nerd mala que falava muito de nano chips, algo que estava em alta na época, além de tecnologia em geral e como eu era novo na escola, acabei recebendo o apelido de Chips… Obviamente, como o tempo passou e eu segui carreira na área de tecnologia, o apelido acabou funcionando muito bem.

Como você entrou na Rockhead Games?

Trabalhar com o Christian e com o D’Andrea sempre foi um sonho, desde a década de 90. Fiz minha primeira entrevista para trabalhar na antiga South Logic (primeira empresa de games do Christian Lykawka que foi comprada pela Ubisoft) em 2002, mas como estava recém iniciando a faculdade de Ciência da Computação, não tinha currículo suficiente para ser contratado. O tempo passou, segui acompanhando o trabalho da South Logic, depois da Ubi Porto Alegre e por fim, da Rockhead, durante este período, trabalhei em Porto Alegre, SP, EUA, Alemanha… Mas a vida me fez retornar para Porto Alegre, e felizmente recebi o convite para assumir a função de Produtor na Rockhead. A realização de um sonho depois de mais de 15 anos (risos).

Starlit Adventures

E como é trabalhar como produtor em uma empresa de jogos?

Eu sou suspeito para comentar, pois amo a função, ela me permite usar uma variedade de habilidades que foram desenvolvidas ao longo do tempo. O Produtor tem a função de cuidar do produto (o game), viabilizá-lo (cuidar para que exista time e verba para a execução do game), lançá-lo (fechar acordos com as lojas e mídia) e olhar para as novas oportunidades do mercado. Logicamente ele não faz tudo sozinho, mas sim, é a pessoa que interage com todos estes lados. Logo, é importante ter um conhecimento técnico do produto, uma capacidade de comunicação boa, uma habilidade administrativa e noção de marketing estratégico. Conectar todos estes pontos e ter feras ao seu lado em cada um destes itens é a maior satisfação que pode existir.

De onde veio a ideia para universo de Starlit? Como foi o processo criativo e de desenvolvimento dos personagens e características?

O processo que temos na Rockhead inicia-se pelo gameplay, então, após uma série de protótipos, o jogo de cavar foi o que tinha maior potencial. A partir daí, foi feito um estudo, para saber que tipo de personagem faria sentido neste universo… E a resposta foi a toupeira estrela. A partir daí, entendeu-se que apenas a toupeira não geraria uma conexão tão grande com o público, por isso foi criado Bo, uma criança responsável por cuidar da toupeira estrela Kikki. A estrela da toupeira foi à inspiração para que eles vivessem em uma ilha flutuante, a qual representaria as crianças que moram em apartamentos e descem para brincar e se aventurar. Todo o universo foi criado a partir deste ponto e segue em expansão, com novos personagens e características emocionais em evolução.

Starlit Archery Club

Depois de Starlit Adventure, foi lançado o Starlit Archery Club e agora tivemos o Starlit On Wheels, vocês já têm previsão para algum novo game? Se sim, qual estilo planejam?

No momento ainda estamos no processo de lançamento de Starlit On Wheels globalmente. Sabemos que o jogo possui um grande potencial e que não podemos descuidá-lo em momento algum. Sendo assim, este ano de 2019 será um ano de cuidado com Starlit Adventures nos consoles e celulares assim como o Starlit On Wheels.

Podemos esperar então algum dia, um Starlit Smash Bros & Knuckles Edition? (Risos)

(Risos) Com certeza, mas é algo que pode acontecer com a mesma maturidade das marcas citadas, ou seja, algo para 10, 15 ou até 20 anos, uma vez que Starlit Adventures foi lançado em 2015.

Eu gostei bastante do novo game, e da temática de karts, uma das coisas que senti falta geralmente em jogos assim, é pegar algum power-up aleatório e arremessar nos adversários, vocês planejam adicionar recursos assim no game?

O jogo ainda está amadurecendo na plataforma, entendemos que os Power-ups aleatórios servem para embaralhar as posições do grid, mas ao mesmo tempo, gera um senso de injustiça muito grande para muitos jogadores. É claro que estes itens funcionam em outras franquias, mas estamos buscando uma experiência em que o jogador possa demonstrar sua habilidade pura e divertir-se como piloto e principalmente como um bom drifter.
Ainda assim, caso a comunidade de fãs entenda que este é um modo de jogo necessário para a experiência, vamos considerar.

Starlit On Wheels

O StarlitAdventures ganhou port para os consoles com a parceria de vocês com a Webcore Games. Vocês planejam fazer algum port dos outros games desse universo? Se sim, quais consoles estão previstos?

Sim, vamos lançar Starlit Adventures para Xbox e Switch ainda este ano e a partir daí, vamos ver a viabilidade dos próximos passos a serem tomados nos consoles de Sony, Microsoft e Nintendo.

Existe hoje algum outro projeto ou game novo da Rockhead, que vocês podem contar um pouco para gente, para atiçar a curiosidade? (risos)

Estamos muito focados no Starlit On Wheels, e como citei, temos ainda as versões de console pela frente. Mas temos uma equipe muito qualificada capaz de fazer a abertura que temos no nosso jogo de corrida. Então estamos vendo a viabilidade de potencializar essa habilidade para um novo patamar.

Rodrigo, muito obrigado pela entrevista, você gostaria de dizer algo a mais para os nossos leitores?

Eu que agradeço Daniel! É sempre muito bom e importante contarmos um pouco mais sobre a Rockhead e Starlit! Aproveito para pedir aos leitores que nos acompanhe nas nossas redes sociais, Youtube ( Starlit Adventures Official ), Instagram (@starlitadventures), Facebook (@starlitadventures ) e Twitter (@starlitadv). Também temos o nosso site oficial http://starlitadventures.com/ aonde vocês podem encontrar tudo do nosso universo, como quadrinhos por exemplo.

Tiago Leifert com camisa do Starlit

E você, o que achou da entrevista? Deixe nos comentários.

Abraços pessoal, até a próxima.

About Daniel Atilio

Analista e desenvolvedor de sistemas. Técnico em Informática pelo CTI da Unesp. Graduado em Banco de Dados pela Fatec Bauru. Entusiasta de soluções Open Source e blogueiro nas horas vagas.

Daniel Atilio

Analista e desenvolvedor de sistemas. Técnico em Informática pelo CTI da Unesp. Graduado em Banco de Dados pela Fatec Bauru. Entusiasta de soluções Open Source e blogueiro nas horas vagas.

4 comentários em “Entrevista com Rodrigo “Chips” Scharnberg da Rockhead Games

  • 23 de janeiro de 2019 em 07:37
    Permalink

    Cara, que entrevista completa hem! Parabéns ao Dani e também ao Rodrigo pelo ótimo trabalho que tem feito para os games nacionais!

    Resposta
  • 23 de janeiro de 2019 em 11:33
    Permalink

    Top a entrevista, hein?! Não sabia de toda essa lógica por trás do Starlit e curti muito a ideia de “crianças que descem para brincar”. Parabéns Dani e parabéns ao Rodrigo e toda equipe da Rockhead. Não parem nunca, os games estão cada vez melhores!!

    Resposta
  • 25 de janeiro de 2019 em 18:16
    Permalink

    Tive o prazer de conhecer o chips no SP Jam e ele realmente é um cara que merece todo sucesso.
    Muito legal a entrevista. Parabéns pela entrevista, ficou muito boa e é um ótimo incentivo para todos os desenvolvedores nacionais!

    Resposta
    • 25 de janeiro de 2019 em 21:18
      Permalink

      Boa noite Rofli, obrigado pelo comentário e feedback, se tiver alguma sugestão ou crítica pode entrar em contato. Um grande abraço.

      Resposta

Deixe uma resposta